25 Jun

Filho da M綟

O regresso de Filho da M綟 uma conquista. Primeiro, para ele prprio, o Rui; depois, para ns todos, que o esper疱amos h demasiado tempo. Atravessando da pior maneira uma pandemia transformada em tnel sem sada aparente, a luz que foi cintilando no seu fim nem sempre correspondeu realidade, acabando por se misturar com v疵ias fic鋏es, adicionando tormentos, dvidas e incertezas. A certa altura, foi justamente esta falta de no鈬o do que ou n縊 real que acabou por servir de inspira鈬o, uma incerteza que se multiplicou na hiptese bem credvel de v疵ios discos editados, entre o anjo acstico e o demnio el馗trico, entre rascunhos no Alentejo e mais rascunhos em Lisboa, feita de palavras com duplo sentido dedilhadas durante horas sem fim. Inevitavelmente, a espera tornou-se numa obriga鈬o, como uma peregrina鈬o necess疵ia. 典erra Dormente foi gravado ao longo de dois anos entre Lisboa (Music Box e Fabrica de P縊 - CTL) e ヘlhavo (Capela da Biblioteca Municipal de ヘlhavo e F畸rica das Ideias na Gafanha da Nazar - 23 milhas) e chega a vez de ser apresentado no Palco Parque do Rock Nordeste no dia 25 de junho.